quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Fazendo Poesia - Dando meus pulos

Como estou refazendo meus poemas para a publicação em meu primeiro livro solo, tenho retomado as velhas técnicas da Poesia e mágicas da licença poética, e gostaria de compartilhar algumas delas que tenho achado mais interessantes com vocês.

Fazer Poesia é quase um ato de sacrifício, no qual torturamos nosso próprio íntimo para arrancar dele as palavras que queremos. Coisa árdua, como diria o gigante Olavo Bilac

"Porque o escrever - tanta perícia,
Tanta requer,
Que oficio tal... nem há notícia
De outro qualquer."

Mas Bilac era um perfeccionista Parnasiano que, portanto, seguia à risca formas rígidas de métrica, compasso e rima. E disso, nossos Professores de 22, Modernistas, nos libertaram.

Ainda assim, o trabalho de finalizar um poema é muito parecido com o de lapidar uma pedra bruta para que se torne joia. A poesia se faz ainda com as mesmas técnicas que Bilac usava. A diferença é que nós, no pós-Modernismo, temos uma maior liberdade em usá-las.



Hoje, o escolhido foi o poema "Para o mundo", que mesmo antes de aprimora-lo, acabou ficando em 2º lugar em um pequeno concurso do qual participei. Mas não estava contente com ele. Tinha muitas falhas e forçava a barra em algumas coisas.

A primeira estrofe nasceu assim:

Todos estamos caminhando (A)
Rumo ao horizonte, neste mundo. (B)
Mundo que lá, vai se acabando, (A)
E no próprio horizonte é refundo. (B)

Além de os versos não terem uma métrica acertada (não era esse meu propósito quando o escrevi), a musicalidade ficava comprometida, com o segundo e o quarto versos destoando dos outros dois tendo tônicas a quinta e a terceira sílabas, respectivamente, enquanto o primeiro e terceiro versos as têm na quarta sílaba.

Fora isso, me descontentava o uso da palavra "refundo", na qual havia síncope da sílaba "da": "refun(da)do". Esta licença poética me descontentava por dois motivos:

1 - A supressão da sílaba tônica da palavra original o que dificultava em retoma-la;
2 - O resultado ser uma palavra já existente, cujo significado não tem relação com a ideia do verso, o que traz confusão ao leitor.

Para resolver estes problemas, refiz a estrutura dos versos, deixando-os todos com oito sílabas, com tônicas na quarta e na oitava. Além disso, refiz a rima B - B para uma mais suave, que retoma só as sílabas tônicas: Mundo / refunda.

Além disso, a manutenção de algumas palavras, como "próprio" do quarto verso, era desnecessária, já que a repetição de vocábulos já dá ideia de redundância.

Então, a primeira estrofe de "Para o mundo" ficou assim:

Todos estamos caminhando
Rumo o horizonte, neste mundo.
Mundo que lá, vai se acabando,
E no horizonte se refunda.

Bem mais suave, não? 

E você? Conta pra gente alguma experiência que teve enquanto fazia um poema seu, alguma dificuldade ou verso que ficou travado! Vai contribuir muito com nosso aprendizado!

Um ótimo dia a todos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário